Uma Questão de Azul-Escuro e o Colégio Pedro Arrupe

Estive hoje no Colégio Pedro Arrupe - com professores extraordinários, com meninos que me encherem de esperança... Foi desta escola, da prof Margarida Diogo, que li este mail, imaginem como me sinto:

"A minha manhã...
Passavam apenas alguns minutos das oito da manhã quando me chegou às mãos o livro, o tal livro que tinha ficado na memória. Coloquei-o entre os manuais e a agenda e desci os três la
nços de escadas. Ensonada e com os níveis de energia em baixo, aproximei-me da sala e dos sonolentos alunos que me receberam com um sorriso e um “Bom dia” reparador. Enquanto abriam a lição, peguei no livro e comuniquei a visita de Margarida Fonseca Santos ao colégio e, desta vez, para falar, em especial, sobre um livro que já tinha sido mencionado no encontro anterior. Neste momento, os olhos estavam postos no retângulo de folhas que tinha entre as mãos. “O livro sobre o bullying”, disse uma voz lá ao fundo. Respondi, apenas, com o título do livro e o entusiasmo apoderou-se de todos: “Uma questão de azul-escuro”. Disse-lhes que tinha acabado de receber e que, por isso, ainda não tinha lido. Imediatamente surgiu uma proposta: ler-lhes o livro. Não consegui resistir ao brilho dos olhos e, depois de negociarmos os trabalhos previamente planeados para o dia, disse que sim… e os olhos, minutos antes ainda semicerrados, abriram-se e uma nuvem de encanto instalou-se na sala. Coincidência ou não, ninguém acendeu a luz e a sala estava com uma luminosidade de início de manhã de outono. Abri a primeira página e mergulhámos no azul-escuro… onda a onda, descobrimos um livro de uma sensibilidade extrema e de assuntos extremamente delicados, até chegarmos à onda amarela! Que viagem… O silêncio imperou e apenas a minha voz captava a atenção de todos. Terminei a leitura e o silêncio permaneceu. Ninguém conseguiu falar durante alguns minutos. Todos precisávamos de uns instantes para refletir sobre aquela história que entrara de rompante nas nossas vidas. Comentários começaram a ser ouvidos, numa cadência suave. Colocámos o azul-escuro como fundo do quadro e, um a um, cada aluno foi escrever uma palavra no quadro relacionada com o livro… a amarelo!
Estes momentos tão simples e, ao mesmo tempo, tão profundos, são de uma riqueza extrema e uma oportunidade para mudar vidas e escolher caminhos.
Agradeço profundamente esta oportunidade.
Parabéns!
Margarida Diogo"

Sem comentários: