Falando de "De Nome, Esperança"

De uma parceira de escrita, uma mensagem que quero partilhar convosco:

Entre a compilação “OS HOMENS PRECISAM DE MIMO”, do jornalista e cronista João Miguel Tavares, as “HISTORIAS DE AQUÍ Y DE ALLÁ” , do Luis Sepúlveda, e muitos outros livros que já não conseguirei nem sequer folhear até ao final das férias, lá ia o Romance de uma autora DE NOME, MARGARIDA.
E li. Que mais poderia ter feito?
Aliás foi logo este último o primeiro a ser devorado pela minha ânsia de compensar o tempo perdido, de um ano a fio sem leitura de interesse, nem mesmo a de cabeceira. Também movida pela curiosidade de conhecer mais da obra da autora. Enfim, sobretudo, por ser da Margarida.
 De uma complexidade, pelo entrecruzar de personagens, narradores, pelo distanciamento temporal, e não só, das próprias narrativas e diferentes perspectivas, torna-se, depois, simples, acabando o leitor por conseguir construir uma imagem final. Precisamente porque é ao longo de todas essas narrativas, incluindo as dela própria, e dos seus escritos, que vamos conhecendo (?) a Esperança e o seu trajecto de vida (e morte). Temos, enfim, a Esperança. E perdemos, afinal, a Esperança.
A doença mental, aqui muito bem retratada, não me passou ao lado, mas tocou-me menos que a própria personagem e a sua história de vida. Contudo, por outro lado, é a doença mental que dá riqueza à personagem; são os seus delírios que permitem ultrapassar barreiras e ir além de uma vida óbvia.
Tenho para mim que quem se põe no papel de dizer bem ou mal, se coloca numa plataforma de arrogância, portanto acima do outro avaliado. Mas é com a maior humildade, de quem não percebe nada do assunto e apenas gosta (muito) de ler, que digo que o que li está muito à frente…
Eu li.
E gostei muito.
E, agora, escrevo (à Margarida). Que mais poderia ter feito?
Muitos Parabéns Margarida!
VS

PS: Ainda não perdi a Esperança de conseguir ler mais uns quantos livros até ao final das férias… Tenho Esperança que este teu livro seja premiado (como o foi “Uma Pedra sobre o Rio”) … Tenho Esperança de este ano retomar as aulas de Escrita… Tenho Esperança…

1 comentário:

Margarida Fonseca Santos disse...

Obrigada, querida amiga - como dizes nos mails que trocámos (e bem), fiquei muito mais feliz. Um beijinho