Julgamento 3 de Maio

Dia 3 de Maio, pelas 9h15, um julgamento que nos remete para os tempos da ditadura…
Margarida Fonseca Santos (autora), Carlos Fragateiro e José Manuel Castanheira (ex-directores do Nacional D. Maria II) – somos acusados, pelos sobrinhos de Silva Pais, dos crimes de difamação e ofensa à memória de pessoa falecida. No seu entender, denegrimos a imagem do último director da PIDE com a adaptação para teatro do livro A Filha Rebelde (de José Pedro Castanheira e Valdemar Cruz), feita para o TNDM em 2007, com encenação de Helena Pimenta.
O Ministério Público não acompanhou a queixa.
Conquistámos, no 25 de Abril, a liberdade de expressão, que está agora posta em causa. Mas, mais grave ainda, esta é uma tentativa de branquear a imagem daquele que foi o responsável máximo da PIDE – a polícia política que perseguiu, torturou e matou muitos opositores ao regime, entre eles o General Humberto Delgado.
Pedimos que divulguem isto aos quatro ventos.
(http://sol.sapo.pt/inicio/Sociedade/Interior.aspx?content_id=12515)

13 comentários:

Setubalez disse...

Só agora tomei conhecimento desta verdadeira "canalhice" que esses "burguesitos" com "laivos pidescos" querem fazer.
"Vampiros" a ver se "chupam" 30.000 euritos...
Afinal a "má índole" também é genética.
Esperemos que "o juiz" não tenha também "tios" desses...
Quero dar-lhe um voto de apoio, daqui de Setúbal, e dizer-lhe que já publiquei no meu mural do facebook... Sei que não é grande apoio, mas é o que posso fazer... Faço votos para que a "liberdade" vença!

Margarida Fonseca Santos disse...

Obrigada pela solidariedade. Eu tenho esperança de que a Justiça faça o seu papel.
Um abraço
Margarida

Luís Sérgio disse...

Vergonhoso, simplesmente vergonhoso, ofendidos... então e as vítimas da canalha pidesca, como se sentirão ? Não Não se trata de uma ofensa e atentado à memória colectiva pretenderem branquear os crimes de tais senhores.

Força e um grande abraço de solidariedade.

Luís Sérgio

Margarida Fonseca Santos disse...

Olá, Luís! Obrigada - sinto-me muito acompanhada por todos...
Realmente, isto não parece sequer lógico. A memória do Silva Pais vai ficar bem mais viva (no mau sentido)depois disto!
Um beijinho

Tomás disse...

CABRÕES!
(Desculpa, não consegui evitar.)
As palavras inteligentes já foram ditas por tanta gente que te ama ou que te apoia... Decerto que sabes a minha opinião.

Tu és das poucas pessoas que me mostram o melhor do ser humano, que me sugam para um mundo onde não há gente má. (O Letifar é só para haver enredo...) Quando tens estes azares custa-me a acreditar.

Vou fazer com que se saiba em todo o lado (por exemplo, na BE). Isto é um grave atentado contra ti e contra a liberdade de Abril.

AQUELES CABR...!!!

Margarida Fonseca Santos disse...

Tomás, nem sei bem que te diga... As tuas palavras deixam-me sempre comovida e agradecida por um dia teres começado esta amizade que vai durar para sempre...
Pelo ambiente e correcção no tribunal, penso que a justiça vai imperar. No dia 12 presto declarações, às 9h15, só serei eu nesse dia. Vou responder a cada ponto com a verdade que esteve sempre na primeira linha de todo este projecto.
Um grande beijinho

zé sacramento disse...

O tal homem até tinha muito orgulho no que fazia. Não se percebe onde estará a ofensa...
Abraço
Zé Sacramento

Margarida Fonseca Santos disse...

Exacto - mas eu acredito que a Justiça vai fazer o seu papel...
Um grande beijinho

Tomás disse...

(Margarida, lá vens tu com lamechices! :P)
Gostava de te ver, a incendiar lentamente os queixosos de irritação, de tão serena que estás. Gostava de te ouvir a conquistar o juiz com um monte de verdades inquestionáveis. Gostava de te ver a esfregar o óbvio na cara deles.
Fico feliz por estar a correr tudo bem!

Margarida Fonseca Santos disse...

Podes não ver, mas podes ter a certeza de que vou estar serena e dizer tudo o que é preciso!
(lamechices?! eu?!)
beijinhos, muitos!

rui disse...

Não entendo como a liberdade de expressão esteja a ser posta em causa e muito menos que se trate de um julgamento a lembrar os tempos da ditadura. A peça não esteve em cena? Alguma vez foi perturbada por reacionários? É como daqui à lua confundir censura política (de que se ocupava a PIDE) com censura individual, pois trata-se apenas, e só, de alguém que recorreu às vias jurídicas (num Estado de direito democrático) por considerar que a memória de um familiar foi difamada. Se fosse proibido a certas pessoas (v.g. familiares de PIDE's) apresentar em tribunal certas queixas, então sim, viveríamos num Estado de direito fraquinho. Não é pela proibição que se protege a liberdade de expressão; é pela Lei que atribui direitos: os autores têm direito à livre expressão; os sobrinhos do Silva Pais têm direito a apresentar as queixas que entenderem. A questão é, num caso em concreto, qual dos direitos deve prevalecer? E pode acontecer que aquilo que parecia liberdade de expressão era afinal um abuso dela. Pelo que li na imprensa, a queixa dos sobrinhos não se justifica e estaremos perante um caso em que o liberdade de expressão prevalecerá. Aliás, o MP (que representa o Estado nos Tribunais), já deu a primeira resposta ao não acompanhar a acusação particular. A lamentável atitude dos sobrinhos só os desmerece. Se eu fosse a eles ficava era bem caladinho.

"Os Super-leitores" disse...

Se nos calarmos um dia destes vão dizer que a Pide não existiu!... Não nos podemos calar, nem esquecer.
Um beijo e toda a minha admiração.Estou convosco!

Idalina Varino

Margarida Fonseca Santos disse...

Muito obrigada!
Sim, só falta dizer que não era nada de especial...
Mas penso que está tudo bem encaminhado, vamos ver como acaba.
Um grande beijinho!